sexta-feira, 31 de julho de 2015

MENDIGO




5 TIPOS DE ALUNOS NA ESCOLA




quarta-feira, 29 de julho de 2015

Quem veio primeiro, a galinha ou o ovo? | Nerdologia 84




Os 10 melhores restaurantes do mundo 2015

O tradicional guia Restaurant, apresentou a versão 2015 do prêmio World´s 50 Best Restaurants. Algumas novidades aparecem no Top 10 e o Brasil caiu duas posições comparado ao ranking de 2014. Confira os dez melhores restaurantes do mundo 2015:
confira

10º. Gaggan (Bangcoc, Tailândia)

10

9º. D.O.M. (São Paulo, Brasil)

9

8º. Narisawa (Tóquio, Japão)

8

7º. Dinner by Heston Blumenthal (Londres, Reino Unido)

7

6º. Mugaritz (San Sebastián, Espanha)

6

5º. Eleven Madison Park (Nova York, EUA)

5

4º. Central (Lima, Peru)

4

3º. Noma (Copenhague, Dinamarca)

3

2º. Osteria Francescana (Modena, Itália)

2

1º. El Celler de Can Roca (Girona, Espanha)

1

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Será que ele é!




10 invenções que são muito mais antigas do que você pensa

Posted: 02 Jun 2015 09:35 PM PDT
Nós associamos itens com culturas ou eras porque isso ajuda nosso cérebro a categorizar informações. Nós escutamos a palavra “pirâmide”, e instantaneamente a associamos com o Antigo Egito, apesar das numerosas não-egípcias pirâmides pelo mundo. Muitas dessas associações são incorretas. Muitas das coisas que nós associamos fortemente com o mundo moderno são, na verdade, um pouco mais velhas.
confirachi

10. As batalhas de Rap

Rappers por volta de 1980 talvez tivessem maior parte de crédito por esse tipo de desempenho lírico, mas essa prática é muito mais antiga e vem da Escócia. Ela é chamada “flyting” e era praticada pelosmakaris (poetas escoceses), durante o século XV e XVI. Nesse contexto, dois poetas engajariam em uma troca de abusos verbais muitas vezes em um mesmo verso e o vencedor seria decidido pela plateia. O vencedor poderia desfrutar de um copo grande de cerveja e frequentemente não convidaria o perdedor para beber também.
Em certo ponto, o flyting era tão popular na Escócia que as letras obscenas e vulgareseram relevadas, embora elas não fossem permitidas em público. Normalmente tinham destaques em salas grandes, como salões de banquetes; mas os poetas mais qualificados engajavam oflyting nas cortes reais. O rei James IV era conhecido por ser um grande fã de flyting, bem como o rei James V.
10

9. As Dentaduras

A longa história da Dentadura não é particularmente uma surpresa. George Washington, por exemplo, era famoso por suas dentaduras (embora nenhuma delas fossem feitas de madeira, apesar do mito). Entretanto, a dentadura vem muito antes desse fato. Vem desde o tempo da civilização etrusca, de fato, localizada na Itália moderna entre os séculos XVIII e XIV A.C.
Muitas evidencias sugeriram que os Etruscos foram os primeiros a usarem dentes falsos, por volta de 700 A.D. Crânios antigos foram descobertos com bandas de ouro no seu interior e, em Marzabotto , um crânio foi encontrado com um dente artificial ainda ligado usando um fio de ouro.
9

8. Os Jornais

Para que uma publicação fosse classificada como um jornal, ela deveria publicar informações atuais cobrindo uma variedade de tópicos em intervalos regulares e ser razoavelmente acessível ao público. Alguns poderiam dizer que um jornal também tem de ser impresso, o que significa que eles não poderiam ter existido antes da imprensa. No entanto, se nós negligenciamos esse pequeno detalhe, podemos ver que os jornais vem de muito tempo atrás. Roma Antiga e China ambos tiveram boletins manuscritos apresentados ao público em uma base regular, detalhando os acontecimentos atuais e outros acontecimentos importantes.
Em Roma, ele era conhecido como Acta Diurna e é considerado o primeiro jornal diário, mesmo que nem sequer tenha sido escrito em papel (sendo esculpido em pedra ou metal). Primeiramente, ele só cobria processos judiciais e resultados de ensaios. Como sua popularidade cresceu, expandiu-se para incluir também política, campanhas militares, nascimentos, mortes e execuções.
Na China, as primeiras formas de jornais eram conhecidas como tipao (também Di Bao ). Eles foram publicados no formato de boletins imperiais durante a Dinastia Tang. Durante a era Kaiyuan, eles foram substituídos por KaiyuanZaBao, uma publicação oficial escrito à mão sobre seda e distribuída principalmente para funcionários imperiais.
8

7. As escovas de dente

Técnicas dentárias antigamente eram, naturalmente, muito mais primitivas. Na verdade, as primeiras “escovas” não eram nada mais do que varas com pontas desfiadas que eram esfregadas nos dentes. Enquanto estas não eram particularmente eficientes, elas pelo menos deram o usuário um hálito mais fresco. Tais “palitos de mastigar” foram encontrados na antiga China, Egito, e até mesmo Babilônia, datando de 3.000 A.C.Algo semelhante a uma escova de dentes moderna não apareceu até o século XV na China. Foi feita de osso ou bambu e tinha cerdas naturais feitos de os cabelos da garganta de um porco. Também nessa época, a China começou negociar com a Europa, de modo que o projeto foi levado para lá um pouco depois. No entanto, os europeus acharam as cerdas de porco bastante rígidas e preferiram substituí-las com suaves cabelos de cavalo. Embora a concepção da escova de dentes fosse atualizada de tempos em tempos, ela realmente não se se tornou a escova moderna que conhecemos hoje até o início do século 20, quando Wallace Carothers inventou o nylon para a DuPont. Até isso, os pelos dos animais se mantiveram sendo usado para as cerdas.
7

6. A Assistência Social

Na Roma Antiga houve bastantes programas em vigor para proporcionar aos seus cidadãos alimentos subsidiados.A princípio, isso não era uma obrigação, mas era muito comum quando o governo ou indivíduos ricos queria ganhar o público. Faziam doações de milho para as pessoas, conhecidas como frumentatio. Em 123 A.C, no entanto, uma tribuna com o nome de Caio Graco introduziu aLex frumentaria. Através desta lei, cada cidadão de Roma tinha direito a uma quantidade de trigo a cada mês disponível a um preço razoável (algo em torno de metade do preço de mercado). O qual era apenas disponível para pais de família, mas não se restringiu apenas aos pobres imperadores romanos. Roma também teve várias abordagens quando se tratava de lidar com os pobres. Não era incomum para imperadores daquela época, dar dinheiro para cada romanopra comemorar um determinado evento (geralmente uma vitória militar). Um imperador que instituiu novos programas de bem-estar foi Trajano. Enquanto ele aumentou o número de cidadãos que poderiam receber grão livre do Estado, ele também introduziu Alimenta, uma instituição com financiamento público que beneficiaram as crianças pobres.
6

5. Odômetro

O odômetro está presente na maioria dos veículos modernos, usados para controlar a distância de uma viagem. Existe desde os gregos antigos. Não há certeza de quem foi o seu inventor. Vitruviusmencionou um odômetro antigo em seu livro, e há quem acredite que o dispositivo tinha sido inventado anteriormente por Arquimedes. O conceito deste odômetro inicial foi baseado em torno de carros que têm um tamanho de roda-padrão. Uma roda teve que girar 400 vezes para completar uma milha romana. Quando uma revolução completa, a engrenagem lançava uma pedra em uma caixa. No fim da viagem, contavasse as pedras pra saber a determinada distância percorrida. Nós não temos nenhuma evidência absoluta de quando esse dispositivo foi construído. No entanto, durante suas viagens, Alexandre – o Grande, tinha especialistas chamados bematists que mediram as distâncias das rotas. Suas medidas foram mais tarde registradas por Plínio – o Velho, na sua Naturalis Historia, e eles são tão precisos em comparação com as medidas modernas que um dispositivo mecânico seria quase certamente empregado.
5

4. O Salto alto

Consideramos salto alto um acessório moderno usado exclusivamente por mulheres pra realçar sua beleza e criar a ilusão de pernas finas elongas. No entanto, tão popular como eles podem ser hoje, eles não são definitivamente tão modernos. Saltos altos datam um caminho de volta para o século IX, quando foram usados por homens. Taças de cerâmicas persasdesde mais de 1.000 anos atrás retratam homens usando sapatos de salto alto. Naquela época, os saltos tinha um propósito prático em vez de um propósito estético. Os homens em questão eram arqueiros, e os saltos altos lhes permitiam fixar os pés em estribos quando atiravam em cima de um cavalo. Os saltos permaneceram em uso durante séculos. Eventualmente, a cultura persa espalhou pela Europa. Até o século XVII, o salto alto tornou-se toda a raiva por lá também. Mais uma vez, os homens os usavam, mas desta vez, foi a aristocracia europeia, não os soldados. Os sapatos eram símbolos de status. Eles foram completamente impraticáveis – mais elevado osalto, melhor. Um guarda-roupa prático (e muitas vezes desconfortável) era constantemente utilizado pela elite europeia para significar privilégio. Os saltos também eram tingidos de vermelho porque esta cor tornava um item de luxo.
4

3. O Sismômetro

Um terremoto pode ser extremamente devastador. Mesmo que não podemos pará-lo, um instrumento para nos avisar de movimentos sísmicos pode revelar-se inestimável. Hoje em dia, temos acesso a esses instrumentos, que assim fizeram os antigos chineses. O polímata chinês Zhang Heng famoso tem primeiro sismógrafo do mundo para adicionar à sua impressionante lista de realizações do mesmo.A invenção conhecida como HoufengDidong Yi (“instrumento para investigar o vento a agitação da terra”) foi criado em 132 A.D. Mais tarde foi descrito na História da Dinastia Han, como um vaso de bronze gigante. Ele tinha oito pontos de contato sob a forma de serpentes de bronze com esferas na boca do lado de fora do vaso e uma coluna dentro, de bronze. Quando um terremoto se aproximava , a coluna se movia em uma determinada direção, e uma alavanca que fazia o dragão deixar a bola cair , revelando, assim, a direção do terremoto.
3

2. Os Patins

Até podemos associar a ascensão dos patins com a popularidade dos roller discos dos anos 60 e 70, mas essas invenções são muito mais antigas. O primeiro registro do que poderíamos chamar de um par de patins vem do século XVIII. Um inventor Belga, John Joseph Merlin, criou os patins em 1760. Eles eram patins de gelo com rodas ao invés de lâminas. Ele queria exibir suas criações de uma forma estilosa, e ele os utilizou em um baile de máscaras na cidade de Huys, Bélgica. Entretanto, conta-se que ele não pode parar, caindo numa alta velocidade sobre um espelho gigante.
O primeiro inventor a patentear um design de patins foi o francês M. Petitbled. Sua criação mais parecia sandálias de madeira com três rodas anexadas à sola. Como a invenção de Merlin, o problema com o patins dePetitbled é que era incrivelmente difícil de girar, parar ou fazer praticamente qualquer coisa diferente de ir pra frente. Até que James Leonard Plimpton inventou o precursor de patins modernos em 1863 onde o conceito realmente decolou. Seu projeto com dois pares de rodas foi o primeiro do seu tipo e foi muito mais seguro e mais fácil de usar. Plimpton, em seguida, mudou o escritório de seu negócio de móveis em uma pista de patinação e mais tarde fundou a associação New York Skating para promover o esporte.
2

1. O Chiclete

De uma forma ou de outra, o chiclete já existe há muito tempo, algo em torno de 5.000 anos, na verdade. O chiclete mais antigo conhecido foi descoberto em uma escavação na Finlândia, no período Neolítico. Foi um nódulo feito de casca de bétula, mas tinha marcas de dentes claros nele. Mesmo naquela época, a goma de mascar tinha um benefício médico. A casca de bétula contém fenóis com propriedades anti-sépticas, de modo que a goma de mascar foi provavelmente usada para tratar infecções. Através de séculos, muitas outras culturas antigas apreciaram os seus próprios tipos de goma. Os gregos fizeram goma de mascar a partir da resina da aroeira. Os nativos americanos mastigavam resina de abeto. No entanto, são os astecas, que ajudaram a lançar a moderna mania da goma de mascar. Eles mastigavam ochicle, uma goma natural derivada de várias espécies de árvores da América do Sul. Na década de 1860, o general mexicano Antonio López de Santa Anna trouxe o chicle para a América, para o inventor Thomas Adams, que quis usá-lo para a fabricação de borracha de pneus. Isto falhou, mas, em seguida, Adams pensou em usar chicle como o principal ingrediente para sua “Adams New York ChewingGum”. Foi um grande sucesso, e dois anos depois, Adams o produziu em larga escala. O chicle permaneceu o principal ingrediente da goma por 100 anos, até que foi substituído por borrachas sintéticas que eram mais baratas de fabricar.
1
Fonte: Listverse
Tradução: Nayara Magalhães

quinta-feira, 23 de julho de 2015

10 profissões que você jamais iria imaginar que já existiram

Muitos de nós já tivemos um trabalho que preferiríamos esquecer, com um não-tão-agradável chefe que estaríamos felizes de nunca ver novamente. Mas se nós olharmos para o passado, vamos tirar um momento para sermos gratos pelostrabalhos que não existem mais:
profi2244

10. Relógio-humano

Nós todos odiamos o som do despertador numa fria e chuvosa manhã, mas poderia ser pior. Você, aliás, poderia ser o despertador. Essa era a parte mais cedo da rotina de um relógio humano (knocker-up), uma profissão na Inglaterra e na Irlanda durante a Revolução Industrial.
Antes de todos nós termos despertadores que nos afastassem das nossas camas, essa era a responsabilidade de um relógio humano para certificar-se de que trabalhadores na cidade estivessem acordados na hora certa para ir ao trabalho. Eles geralmente carregavam uma longa vara que os permitiam bater nas janelas dos trabalhadores sonolentos até que eles despertassem. Era comum aos gerentes contratar um relógio humano para terem certeza de que seus empregados estivessem no trabalho a tempo. Mas o que também se tornou um grande mistério: quem acordava o relógio humano?
profissa10

9. Espalhador de ervas

Antes mesmo de organizados sistemas de esgotos, a grande quantidade de despejos humanos da cidade de Londres acabava indo direto para o rio Tâmisa. Isso, juntamente com a imundície geral da cidade, fez com que Londres não fosse exatamente o melhor lugar para se cheirar. Isso fez com que a atividade de espalhar ervas se conduzisse a uma profissão na Inglaterra durante o século XVII.
O trabalho de um nobre espalhador de ervas era, geralmente, conduzido por uma mulher, da qual era preciso distribuir ervas e flores com odores agradáveis por toda área nobre, numa tentativa de mascarar os odores desagradáveis que cercavam a cidade. As espalhadoras de ervas estariam presentes em eventos da nobreza, com vestidos extravagantes e cestas para carregar suas ervas. Embora que a profissão nunca tenha realmente acabado, não existem mais nenhum trabalhador com esse título de nobreza. O último monarca a contratar alguém com esse trabalho foi George IV, em 1820.
profissa9

8. PowderMonkey (macacos em pó)

Um PowderMonkey era um termo usado para descrever jovens garotos empregados em navios de guerra. Era responsabilidade deles garantir que a tripulação tivesse um constante suprimento de pólvora, pondo suas vidas em risco por conta de fumaça e chamas causadas pelas batalhas. A pior parte? Os meninos não estavam lá por escolha. Não só era um trabalho altamente perigoso, como também algumas crianças eram sequestradas e forçadas a trabalhar nestes navios por gangues de marinheiros que tinham uma escassez de empregados. Enquanto suas idades e tamanhos os tornassem mais fáceis para se levar por aí imperceptíveis durante as batalhas, transportar pólvora para os canhões era um trabalho considerado de alto risco.
profissa8

7. Log Drivers (motoristas de madeira)

Imagine transportar madeiras durante o dia todo, todos os dias. Esse certamente poderia ter sido seu trabalho se você estivesse vivo por volta de 1800. Antes de serrarias portáteis,a exploração florestal era limitada em poucas opções. O trabalho de um “motorista de madeiras” era utilizar o percurso de um rio para mover madeiras serradas de florestas milhas distantes. O método era popular durante os primórdios da atividade de exploração florestal, porém entre a época de 1900, estradas de ferro estavam sendo construídas na maioria das cidades, o que fez com que os rios fossem menos utilizados como meio de transportação.
Embora a profissão morresse por volta do século XX, a prática de transportar madeiras dessa forma vive pela cultura popular. Uma música folclórica canadense de nome “The Log Driver’sWaltz” foi escrita falando sobre uma jovem mulher que se casou com um motorista de madeira; a mesma se tornou um filme de curta duração realizado em 1979.
profissa7

6. Cortador de gelo

Houve uma época que pessoas que queriam um drink gelado não poderiam simplesmente recolher pequenos cubos de gelo de seu freezer. Se você precisasse de gelo naquela época, você teria que contratar um especialista. Quebrar gelos era a profissão de esquimós durante os meses de inverno, quando o gelo tinha se formado o bastante por cima da superfície da água para ser colhido. Os grupos de trabalhadores poderiam dividir a superfície desse gelo em cubos e começavam a cortar cerca de 1500 toneladas de gelo por dia.
O desenvolvimento da tecnologia de refrigeração permitiu que a quebra de gelo cessasse de ser uma ocupação necessária. Entretanto, existe um museu em Maine dedicado para a prática histórica da colheita de gelo e ainda é uma tradição anual cortar o gelo de um lago local. Mas os únicos profissionais cortadores de gelo que encontraremos na indústria atualmente serão aqueles que esculpem gelo como uma obra de arte.
profissa6

5. Arrumadores de Pinos

Voltando antes para a tecnologia que nós concebemos hoje, as pessoas eram empregadas para fazer quase todos os trabalhos que não são mais necessários hoje em dia, como alinhar pinos de boliches, por exemplo. Os arrumadores de pinos recolocavam os pinos caídos no lugar e retornavam a bola de boliche para os jogadores. Geralmente sendo um trabalho de meio expediente com um pequeno pagamento, o trabalho era geralmente designado para jovens adolescentes. Aparentemente, não era um trabalho sem graça como parece ser. Para os garotos jovens ele era visto até como sendo um passo à frente em suas carreiras.
O colocador de pinos automático foi desenvolvido por um fabricante chamado Gottfried Schimdt em 1936, e se tornou utilizada pela maioria das pistas de boliche nos anos 50, resultando em um declínio rápido dos trabalhadores manuais que eram requisitados para esse emprego. Entretanto, ainda existem um extremo número pequeno de lugares que mantém a tradição de ter uma pessoa responsável pelos pinos a uma máquina.
profissa5

4. Ressurreicionista

Roubar covas voltaria à tona tão longe quanto o ano de 1300, mas desde o século XVI, haviam outras pessoas que desenterrariam os mortos mas por uma razão completamente diferente. Ressurreicionistas ou procuradores de corpos – como às vezes eram chamados – eram contratados por autônomos para exumar corpos com o propósito de pesquisa medicinal.
Os ressurreicionistas não eram aceitos pelo público, geralmente. E haviam várias esforços feitos para que eles parassem de trabalhar, como os guardas noturnos em cemitérios e barras de ferro por volta das covas. Com uma lei aprovada em 1832, tornou-se legal a prática de utilizar corpos para pesquisas médicas.
profissa4

3. Leitor

A palavra “leitor” usualmente nos faz pensar geralmente nos faz pensar em professores universitários e alto-falantes públicos, mas na década de 1900 , um leitor era, na verdade, uma forma de entretenimento.
A vida em uma fábrica de charutos era um trabalho principalmente manual, incluindo o fator do enrolar de cigarros à mão,então os leitores provaram ser bons para o moral dos trabalhadores, e os próprios trabalhadores se reuniam em conjunto para ajudar a pagar o salário do leitor . Leitores teve uma enorme influência sobre os trabalhadores,proporcionando uma educação para eles através de sua leitura. Mas não sempre ir para baixo bem com os proprietários da fábrica, o que levou à remoção de leitores em favor de rádios durante os anos 20.
profissa3

2. Colecionador de sanguessugas

Coletar sanguessugas é uma profissão que vem desde a época Medieval, e sim, é exatamente o que você acha que é. No começo do ano de 1800, sanguessugas eram altamente populares em usos médicos e foram procurados pelos cirurgiões em toda a Europa. O aumento da procura sobre os pequenos sanguessugas levou a uma profissão que se dedicou a colecioná-los . Como?Se tornando um colecionador de sanguessugas.
Os trabalhadores, sendo a maioria mulheres, iriam percorrer lagoas em busca das criaturas. Atraí-los era simples: só mostrar um pouco de pele. As mulheres descobriam seus pés na água para atrair os vermes. Como todos os trabalhos , ele veio com seus riscos . Um grande número de colecionadores tornou-se infectado por permitir que as sanguessugas de se agarrassem a eles. Havia tal furor sobre sanguessugas que os colecionadores até receberam algumas menções poéticas de William Wordsworth.
profissa2

1. Comedor de pecados

Já imaginou que se você roubou um biscoitinho da casa da sua vó quando criança, suas chances de ir pro inferno aumentaram? Bem, se você tivesse vivido no século XVI, você não teria motivos pra se preocupar, porque haviam pessoas que tomariam de conta de você. Os “comedores de pecados” cumpriam um ritual no qual eles consumiam comida, geralmente pão, e uma bebida que ou poderia estar no corpo de um falecido ou jogado sobre o mesmo, digerindo , assim, os pecados da alma daquela pessoa. A profissão não foi aprovada pela maioria das igrejas , e o último conhecido comedorde pecados morreu em 1906.
profissa1
Fonte: TopTenz
Tradução: Nayara Magalhães

Assine o Canal do SuperSogra TV

SuperSogra TV Canal 1

SuperSogra TV CANAL 2

Quem tá por aqui!